Um canto para leitura e reflexão

Posts marcados ‘missões’

CAMINHANDO JUNTOS

A expressão “caminhando juntos” encontra-se em Gênesis 22.6 e refere-se à caminhada de Abraão com seu filho Isaque rumo ao monte Moriá, aonde Isaque seria oferecido a Deus em sacrifício. Claro que o sacrifício não se concretizou, pois Deus apenas estava pondo a fé e a fidelidade de Abraão à prova.

Não se pode deixar de notar que no memento mais difícil para Abraão, em que ofereceria seu filho, seu único filho a quem amava (Gn 22.2), ele tenha andado junto a ele. O momento era igualmente difícil para Isaque, as dúvidas lhe atormentavam. Ali estavam a lenha, o cutelo e o fogo, mas cadê o cordeiro (Gn 22.7)? No momento da dúvida, da incerteza, da insegurança, caminhar ao lado do pai era alentador. Como escreveu o profeta: “um ao outro ajudou e ao seu companheiro disse: esforça-te” (Is 41.6).

Discipulado é isto: caminhar juntos! Andar lado a lado nos momentos de alegria e tristeza. Dividir pensamentos, crenças e vida. A frase mais usada em casamentos nada tem a ver com o rito, foi dita por uma nora a uma sogra, no momento de inteiro abandono desta: “Não me instes a que te abandone e deixe de seguir-te. Porque aonde quer que tu fores, irei eu; e onde quer que pousares, ali pousarei eu; o teu povo será o meu povo, o teu Deus será o meu Deus” (Rt 1.16). Não há verdade mais completa no labor discipular do que esta expressa por Rute a Noemi.

Robert E. Coleman, em seu livro “O Plano Mestre de Evangelismo”, afirma que a estratégia de Jesus no discipulado incluiu “selecionar” doze e andar com eles, o que denominou de “associação”. Estar com os discípulos era o princípio central do discipulado de Jesus. “Ele era sua própria escola e seu próprio currículo” (p. 39). Ele os selecionou “…para estarem com ele e para os enviar a pregar” (Mc. 3.14). Andar com Jesus, estar com Ele, conviver com Ele era preponderante na formação do caráter dos discípulos. Mais que “dizer a” eles, “fazer com” eles, era a estratégia.

Falhamos demasiado no processo de discipulado porque nos concentramos mais no “dizer a” do que no “fazer com”. Transformamos o discipulado em um curso de estudo bíblico. O resultado? Homens e mulheres que sabem muito do Cristianismo, mas vivem longe do Cristo. Respondem questões de conhecimento bíblico, mas não sabem como este conhecimento se aplica ao dia-a-dia da vida. Homens que seriam aprovados com nota máxima em uma seleção de conhecimento bíblico, mas que seriam reprovados como cristãos por seus familiares, vizinhos e colegas de trabalho.

O que fazer? Largar o papel e caminhar com o discipulando. Como Abraão, caminhar juntos. Como Rute, não abrir mão do outro e comungar a caminhada, a família, a fé e o Deus que seguimos e cremos.

Entenda que o mundo virtual, as redes sociais são importantes, mas não há discipulado virtual. Discipulado é vida na vida, é caminhar juntos, partilhar princípios de vida e visão de mundo.

Os discípulos de Jesus lhe pediram: “ensina-nos a orar” (Lc 11.1). Por quê? Porque viram sua vida de oração. Eles também imploraram: “aumenta-nos a fé” (Lc 17.5). Por quê? Porque o viram exercer a fé e transformar pessoas e situações. No trabalho de discipulado devemos esperar que aqueles que discipulamos para Jesus nos peçam coisas semelhantes. Paulo não esperou que os coríntios lhe pedissem, ele mesmo disse: “sede meus imitadores, como também eu o sou de Cristo” (I Co 11.1). Que os que discipulamos olhem para nós e vejam os valores espirituais que temos e os desejem ter também!

Pr Gilvan Barbosa Sobrinho

FRUTIFICAR É POSSÍVEL

Laranja Kikan em casa, no jarro
Colheita de Kikan

Sou filho de agricultor. Fui criado vendo meu pai brocar, limpar e plantar trinta a sessenta tarefas de roça todo ano. Sei o que é ter alegria por uma boa colheita, mas também sei o que é tristeza por falta de frutos, por uma colheita ruim.

Minha convivência com este ambiente rural, embora nunca tenha trabalhado na roça, me faz amar a natureza. Gosto de plantas, pássaros, do verde, dos rios e riachos. Contemplo a natureza e procuro aprender mais de Deus.

Quando chegamos em Teresina, moramos na casa pastoral da Primeira Igreja Batista em Teresina. O espaço de chão (terra) era pequeno, mas aproveitamos para plantar banana e cuidar do pé de limão, da goiabeira e da seriguela que ali existiam. Estas frutas foram a porta de entrada na casa de nossos vizinhos. Passamos a conhecê-los a partir dos sacos com estes frutos, que lhes presenteávamos.

Mudamos para um apartamento. A área agora é muito menor que a que tínhamos na casa, e espaço para plantas quase impossível. Mas, temos uma pequena sacada. Então fomos à caça de plantas frutíferas enxertadas. Temos algumas, porém só a “laranja kikan” tem frutificado (veja foto). Lógico que a quantidade de laranjas kikans produzidas em nossa sacada do apartamento ficam longe da quantidade que produzia nosso pé de limão, na casa pastoral. A quantidade é muito menor, mas temos frutos frescos no apartamento.

O que quero dizer com isto, ou o que isto tem a ver com a obra missionária?

Penso que existe um paralelismo muito grande entre esta situação e a obra missionária, especialmente de nossa igreja, a Primeira Igreja Batista em Teresina, que planta igrejas primordialmente no sertão piauiense, uma região difícil para a produção de frutos, sejam espirituais ou não.

Aprendo com minha pequena plantação, em meu apartamento, que dar frutos independe da situação da plantação. Em outras palavras: é sempre possível frutificar. Pode ser que em um dado local a produção seja maior que em outro, mas todos os locais podem produzir frutos.

Você que é missionário em uma cidade ou povoado resistente ao evangelho não deve esperar que sua produção de frutos seja igual a de outro obreiro ou pastor. O que você precisa crê é que é possível colher frutos mesmo em um local resistente ao evangelho.

Hoje não tenho a quantidade, nem a variedade de frutos que eu tinha quando morava na casa pastoral, mas tenho frutos e me alegro com eles.

Não só isto: continuo testando e buscando outras plantas para produzir em meu pequeno espaço. Estou esperando encontrar um pé de limão que possa se adaptar ao espaço que tenho.

Em sua realidade, procure diversificar suas ações visando aumentar a produção de frutos. Sempre há uma alternativa que alcance o coração de quem precisa de Jesus.

No início de julho plantamos uma igreja em Alagoinha do Piauí, uma cidade resistente ao evangelho, mas Deus já nos deu dez batismos e o Missionário Rosinaldo tem outro grupo para batizar em outubro próximo.

Em 2015 plantamos uma igreja em Pio IX, uma cidade do século XIX, muito fechada ao evangelho. O Missionário Walton está ali há quase três anos. Pela graça de Deus, em agosto passado, batizou nove.

Precisamos entender que não há lugar aonde o evangelho não possa penetrar e produzir frutos de salvação. Não há coração duro, que a graça do Senhor não possa alcançar. O evangelho é tão penetrante que o livro de Hebreus diz que ele vai até a divisão de alma e espírito (Hb 4.12). Você entendeu? Frutificar é sempre possível, basta você plantar. Se não plantar, não poderá esperar por colheita.

Pr Gilvan Barbosa Sobrinho

MAIS UMA IGREJA NO SERTÃO PIAUIENSE

Está chegando a hora! No dia 29/6 chegará a Teresina a equipe de Missionários Voluntários da IMHOPE. No dia 30/6 completaremos o time com os Missionários Voluntários da PIB em Teresina; ainda pela manhã do mesmo dia teremos nosso encontro de treinamento e culto de comissionamento, à noite. No dia 1/7, às 6h, seguiremos para Alagoinha do Piauí.

Alagoinha fica localizada no semiárido piauiense (sudeste), a 379 km de Teresina. Tem uma população de 7.349 habitantes, com 91% de não evangélicos e 8,2% declarada sem religião. A taxa de analfabetismo, para a população acima de 15 anos, é de 44,87%. A igreja em Alagoinha será a quarta igreja que plantaremos na região. A primeira foi em Pio IX do Piauí (2015), a segunda em Alegrete do Piauí (2017) e a terceira em Francisco Macedo (2018).

Local onde funcionará a igreja

Este prédio, no centro da cidade, será o local de funcionamento da igreja e residência do casal de missionários. Há um grande envolvimento de nossa igreja, de igrejas no Estados Unidos da América e de muitos irmãos que apoiam a obra missionária no sertão. Nossa oração e expectativa é que a igreja em Alagoinha seja uma agência de salvação e transformação dos Alagoinenses.

O Pr Rosilnaldo e sua esposa, Sandra (foto), serão os obreiros da igreja em Alagoinha. Eles trabalham com plantação de igrejas há mais de dez anos e estão deixando a igreja que plantaram em Muaná (PA). Deixarão um local de muitas águas para uma região de extrema falta de água. Pedimos suas orações pela adaptação deles neste contexto tão diferente de onde vivem.

Pr Rosinaldo e Sandra

O Impacto Missionário que realizaremos para a plantação da igreja em Alagoinha incluirá: Trabalho com crianças; curso de inglês; atendimento médico e odontológico; corte de cabelo; aferição da pressão arterial; dosagem de glicose; visitação para apresentação do plano de salvação; palestras nas escolas e cultos públicos.

Unidade Odontomédica da PIB em Teresina

Nossa Unidade Odontomédica estará a serviço da população de Alagoinha durante toda a semana do impacto.

EQUIPAR OBREIROS

A Primeira Igreja Batista em Teresina cuida de 18 congregações, a partir de julho deste ano serão 19. Na liderança destas congregações contamos com 13 famílias de missionários. Apenas 2 congregações são em Teresina, todas as outras estão no sertão, em cidades e povoados pequenos e carentes.

Para que nossos missionários cuidem bem da missão recebida, cuidamos bem deles, oferecendo treinamento, encontros de despertamento e cuidado pessoal e familiar.

Durante o ano temos dois momentos de encontro com nossos missionários e, naturalmente, abrimos estes momentos a outros missionários, pastores e líderes. O primeiro momento é em março e o segundo em novembro. O encontro de março ocorreu nos dias 29 a 31. Com o tema “Apenas servos” fomos impactados pelas mensagens bíblicas dos pastores Mike Hall e Dolan Davis.

Mike e Dolan são pastores no Estado do Alabama, EUA, e vieram como preletores do Congresso através de uma parceria que temos com a Missão Internacional da Esperança, IMHOPE, liderada pelo Pr Aias de Souza.

Foi importante para os participantes do Congresso aprender como desenvolver uma mentalidade de servo.

Na noite de sábado (30) apresentamos os missionários da igreja e oramos de joelhos por mais parceiros para obra missionária do sertão. Três de nossas frentes missionárias carecem de parceiros para sustento de seus obreiros: Murici dos Portelas, Pio IX e Alegrete do Piauí. Entendemos que Deus é o Senhor de Missões, por isso não vamos recuar, vamos continuar avançando até a última cidade. Estamos certos que Deus levantará parceiros para o sustento dos que estão no campo.

SEJA UM 100

A Primeira Igreja Batista em Teresina (PIB) procura ser uma igreja missionária. Em 2018 o investimento em missões foi de 50,14% dos dízimos e ofertas regulares.

Entendemos, porém, que missões não se reduz a contribuição financeira. Apesar de o Piauí ser o Estado menos evangélico do Brasil, missões não se restringe ao nosso Estado, o campo é o mundo. E com este pensamento procuramos fazer da PIB em celeiro de missões.

Atualmente a Carla Raquel é nossa missionária Radical, através da Junta de Missões Nacionais (JMN), na comunidade Tupé, nas margens do Rio Negro, no Amazonas. Agora chegou a vez de enviarmos a Keren Hapuque, no “Voluntários Sem Fronteiras”, da Junta de Missões Mundiais (JMM), para a África. A Keren é líder de nosso programa Odontológico, em nossa Unidade Odontomédica. Ela é dentista e está fechando o consultório e pedindo demissão de dois empregos para servir como missionária-dentista por seis meses. O investimento total para este período é de R$ 22.000,00.

Precisamos de parceiros para mais este programa missionário.  Você e sua igreja podem investir nesta ação na África. Precisamos de 100 pessoas/igrejas que assumam um compromisso de R$ 37,00 durante seis meses. Seja um dos 100. Basta depositar sua oferta, ou de sua igreja/instituição na conta: Banco do Brasil, Ag 4249-8, Conta 123249-5, Op 51. Envie o comprovante para prgilvanbarbosa2@pibteresina.com.br. Deus o abençoe!

ESPALHEM CRISTÃOS!

Caminahda de oração 20

O maior desafio da igreja moderna é alcançar o mundo com o evangelho de Cristo. Esta é a ordem do Senhor (Mt 28.19,20). Estamos longe deste alvo, especialmente quando pensamos em lugarejos, povoados e ilhas espalhadas pelo mundo. Não é uma questão apenas de ter Bíblias traduzidas nos vários idiomas, mas de ter crentes espalhados por todos os lugares.

Quando Neemias terminou a construção dos muros de Jerusalém, sua constatação foi: “a cidade era larga e grande, mas o povo dentro dela era pouco” (Neemias 7.4). Esta é também nossa constatação em relação à obra missionária: as cidades são largas e grandes e são poucos para “habitá-las com o evangelho de Cristo”. O Senhor Jesus fez a mesma observação: “a seara é grande, mas os trabalhadores são poucos” (Mt 9.37).

Quando a perseguição chegou à igreja de Jerusalém, “os que foram dispersos iam por toda parte, anunciando a Palavra” (At 8.4). Crentes espalhados pelas cidades e países vizinhos foi a chave do crescimento. A questão da grande comissão não é tanto de espalhar Bíblias, mas de espalhar “os Bíblias”, os crentes. Não é uma questão de levar a mensagem, mas levar mensageiros. Uma família cristã em uma cidade ou povoado é a estratégia de Deus. Quando um salvo chega a uma comunidade, ele faz diferença e causa impacto nas vidas das pessoas.

O evangelho é gente salva, ganhando gente, discipulando gente. Evangelho é gente. Evangelho é gente em movimento; é gente indo, pregando, ensinando, salvando, batizando, discipulando, mas é gente. Muitos crentes não gostam desta ideia, porque preferem contribuir para que alguém vá. Muitos querem o evangelho do conforto: eu fico, você vai; eu mando bíblias, folhetos, materiais…, mas fico… não vou… não me envolvo.

Vejo Neemias preocupado com uma cidade vazia de gente para cuidar. Vejo o Senhor Jesus nos mandando ir e ir a todos os lugares. Não o vejo mandando ficar. Não o vejo mandando enviar a Palavra, mas, sim, o pregador da Palavra. Quando alguém foi e os convidados não quiseram aceitar o convite, ele mandou que voltassem e fossem aos becos e valados para encontrar gente que aceitasse o convite. Gente! Gente que obedece e vai. Gente que é encontrado, e obedece e crê. Gente que acha gente.

O evangelho é você! Quem tem que ser espalhado, levado aos quatro cantos do mundo, é você. “O vento sopra onde quer, e ouves a sua voz; mas não sabes donde vem, nem para onde vai; assim é todo aquele que é nascido do Espírito” (Jo 3.8). Quem é nascido do Espírito vive para seguir a direção do Espírito. Por isto mesmo Pedro disse que somos peregrinos e forasteiros nesta terra (I Pe 2.11). Não temos direção, nem paradeiro certo, o Espírito é quem nos guia.

Espelhemos crentes pelas cidades, especialmente nos bairros sem igrejas. Espalhemos crentes pelos povoados. Espalhemo-nos para salvar vidas, enquanto é tempo.

 Pr Gilvan Barbosa

Depoimento: mantendo o foco missionário

Foto Depoimento1

 

Há muitos motivos para a perda do foco missionário da igreja hodierna, mas o principal é a perda do sentido de ser igreja. Neste mundo pós-moderno, mundo da busca da felicidade, do entretenimento desenfreado, a igreja adaptou-se. Perdeu o sentido de “um grupo em missão” para “um grupo em reunião”. Com isto entramos na igreja da “rede”, que existe virtualmente, como muito da vida moderna. Comunicamo-nos por e-mail, redes sociais, mas não convivemos, não dividimos dores, alegrias e sonhos. Passamos a ser estranhos que dizem se conhecer e que se intitulam de irmãos. Quando Jesus fundou sua igreja, Ele o fez para que ela fosse para a Sua glória e esta glória retratada no exercício de uma missão, e esta iniciada por Ele. Somos um povo em missão, e esta é resgatar das trevas e trazer para a luz, aqueles que Deus amou e ama.

Claro que, no mundo de relativismo que vivemos, os conceitos vão também se perdendo, se relativizando. Assim como o conceito de igreja diluiu-se, também o de missões. Só para ilustrar o que estou tentando dizer: ganhamos uma Van para a obra missionária. Estabelecemos como critério básico de uso deste veículo a regra de que ele servirá a obra missionária. Recebemos o telefonema de um líder de um grupo musical solicitando que lhe cedêssemos a Van para o lançamento do CD do grupo em um estado vizinho ao nosso, e a justificativa para o pedido é que isso era missões. Em nosso conceito isto não é missões, pode ser algo acessório, mas não é missões. É incrível como tanta coisa hoje se denomina “missões” e não tem como foco principal partilhar as Boas-Novas da salvação em Cristo!

Entendo que este foco foi perdido quando perdemos o conceito de igreja e de missões. Com isto passamos a pensar mais em nós mesmos, no grupo que se diz igreja, do que naqueles que não são parte do aprisco do Senhor. A maior parte dos recursos financeiros arrecadados pelas igrejas de Cristo está sendo investida no conforto e bem estar das “ovelhas que estão no aprisco”. Por quê? Porque o conceito de igreja voltou-se para dentro e o de missões perdeu o sentido de ir. Preferimos investir milhões em mega templos, onde se reúnem milhares que não se conhecem, que não sabem por que ou para que estão ali, do que pensar nas ovelhas desgarradas, que vagam como quem não tem pastor (de fato não têm).

A parábola do “bom” samaritano nunca foi tão verdadeira! Estamos mais preocupados em não nos contaminarmos do que em estender a mão. Estender a mão e envolver-se com o outro dá trabalho, implica em parar a agenda e meter a mão no bolso para arcar com despesas não orçadas e que não são minhas, nem da minha família. A igreja virtual ou a mega igreja finge resolver este problema, pois me leva a fingir que contribuo, que me importo, mas de fato não envolve meu coração, nem minha alma. É um “me dou à distância”.

Estas perguntas de “como” sempre passam a ideia de que algo se resolve com tantos passos, como algo simples. Este não é um quadro simples de ser revertido, se é que é possível. Mas, creio que podemos começar uma nova caminhada investindo corretamente naqueles que lideram e hão de liderar as igrejas. Estamos formando mais homens do discurso do que das ruas. Estamos fazendo mais homens de comando do que servos. Lemos e discutimos muito sobre líderes servos, mas na prática eles são raros. Como escreveu Waylon Moore “a igreja é o que é seu pastor”, erramos na formação e multiplicamos o erro na visão do ser igreja. Pastores do discurso erguem igrejas do discurso. Pastores das ruas, dos “becos e valados”, erguerão igrejas das ruas, dos “becos e valados”.

Urge também investir em treinamento de liderança, leigos que saibam cuidar e proclamar. Enquanto elitizamos o evangelho, deixando que seja produto de uma classe intelectualizada, a Reforma buscou fazer “o evangelho do povo”. Leigos pregando, evangelizando, partilhando a salvação é a igreja cumprindo seu papel como projetado pelo Senhor.

Precisamos deixar o foco do Velho Testamento, o templo e o sacerdote, para vivenciarmos o foco do Novo testamento, “Cristo em todos”. Cada crente um ministro, cada lar uma igreja.

Estou como pastor da Primeira Igreja Batista em Teresina há cinco anos. Quando chegamos, a igreja havia saído de uma grande divisão. Precisávamos decidir o rumo, o foco a ser seguido. Com tantas necessidades, esta não era uma decisão fácil. Como eu havia escrito uma carta à igreja, antes de aceitar o convite, dizendo de minha visão pessoal de pastor e de igreja, e esta carta foi votada em assembleia, facilitou a definição de nosso foco. “Ser uma igreja agradecida, vibrante e missionária” foi nossa definição de visão. Em um Estado, à época, com 86 cidades sem a presença Batista, sendo o menos evangélico do Brasil, priorizamos abrir igrejas nas cidades sem a presença Batista. A maioria absoluta destas cidades tem menos de cinco mil habitantes e menos de 5% de evangélicos.

Com a definição do foco, passamos a orar e esperar de Deus a indicação para onde iríamos, pois não definimos a área do Estado para nossa atuação. Só para você ter uma ideia, temos uma congregação no extremo sul do Estado, a 703 km de Teresina, e outra a 284 km, no norte do Estado. A última congregação que abrimos, esta a 284 quilômetros de Teresina, foi iniciada em parceria com uma igreja do Maranhão, em setembro do ano passado. Iniciamos aquela congregação, porque recebemos o telefonema da liderança da igreja dizendo que eles tinham uma obreira em formação, que precisava da experiência prática de liderar um trabalho, e eles estavam dispostos a pagar o aluguel de uma casa para início de uma congregação. Perguntaram se aceitávamos cuidar da congregação. Respondemos que sim, desde que fosse dentro do perfil que temos seguido: uma cidade sem a presença Batista. Eles aceitaram. Passamos o desafio a um missionário nosso, que dirige uma congregação naquela região, a 93 Km da cidade alvo. Tudo acertado, alugamos a casa onde a obreira residiria e funcionaria a congregação, marcamos a data de início, levamos uma equipe para um impacto… ali está a congregação com três membros (estes foram ganhos e batizados) e cerca de quinze congregados.

Foto Depoimento2

Cada congregação iniciada tem uma história da ação de Deus. Não estamos indo a uma cidade por causa de crentes de outras igrejas ou porque alguém de nossa igreja mudou-se e não queremos perdê-lo para a igreja da cidade. Estamos indo às cidades sem a presença batista para ganhar pessoas que estão sem Cristo. O plano é simples: oramos, esperamos Deus indicar uma cidade, alugamos uma casa, enviamos uma família para morar na casa, que também se torna o templo (com placa e tudo), apoiamos com ações de impacto, treinamentos e material. Nestes cinco anos foram quinze congregações iniciadas. Também elas não são somente nossas, são da Junta de Missões Nacionais, da Convenção Batista Piauiense, da Convenção Meio Norte do Brasil, da PIB de Vitória, da SIB do Plano Piloto, da Igreja Batista Emanuel, da PIB em Castelo do Piauí, da PIB de Campo Maior (PI), da Igreja Batista Jardim das Oliveiras (DF), da PIB de Gilbués (PI), da Igreja Batista Memorial de Timon (Ma), da Missão Internacional da Esperança (IMHOPE) e de muitos irmãos que contribuem para o sustento desta obra. Há congregações em que alguns batizados são membros de nossa igreja, e outros da igreja parceira.

Deus tem nos abençoado grandemente! Nunca deixamos de entregar o Plano Cooperativo e nunca deixamos de levantar as ofertas missionárias da denominação. Não fazemos isto porque temos dinheiro. Uma igreja com uma média de dízimos de quarenta mil reais não pode fazer missões confiada em recursos financeiros. Priorizamos a obra missionária porque entendemos que é a ordem de Deus para Sua igreja.

Nestes últimos cinco anos construímos 4 templos, reformamos outros dois, compramos 6 terrenos, ganhamos uma Van, mandamos fabricar um consultório dentário sobre rodas (um trailer odontológico), ganhamos 3 motos, estamos reformando o templo da sede e o centro de retiros da igreja. Iniciamos um projeto social e missionário para alcançar as crianças de 4 a 14 anos, a chamada janela 4/14. Hoje atendemos mais de 100 crianças em três de nossas congregações. Nosso alvo é implantar o projeto em todas as nossas congregações. Temos uma equipe de 9 missionários cuidando de 14 congregações, das quais 10 são no interior. Isto significa que algumas congregações já estão se multiplicando, abrindo outras congregações.

O que conselho que dou, dou a mim mesmo:

Não espere recursos para abrir igrejas.

Procure e espere uma determinação de Deus. Obedeça!

Viva a experiência de uma igreja de ministros de Deus que estão envolvidos em uma grande missão, e ministros envolvidos em uma grande missão não têm tempo para os negócios desta vida, apenas procuram agradar àquele que os arregimentou para a missão.

Saia para ganhar almas e compartilhe com a igreja e experiência.

Deixe os novos convertidos compartilharem com a igreja a experiência da salvação em Cristo.

Não tenha medo de avançar. Aquele que deixou toda a glória no céu e desceu à terra em uma missão de resgate não lhe deixará sem recursos e direção.

Quando estiver no conforto de seu templo, estudando ou pregando a Palavra, pense naqueles que não possuem templo, largados, como ovelhas errantes sem pastor, sem Bíblia, sem esperança, escravos do pecado e com destino à perdição eterna. É justo que se destinem à perdição sem ao menos serem avisados? Todo ser humano tem o direito de ouvir o evangelho. E, se Deus deixou toda a sua glória no céu, e experimentou todo tipo de sofrimento para salvar estas vidas, não há sofrimento grande demais para mim ou para você no cumprimento desta missão.

Pr Gilvan Barbosa

Fonte: Depoimento publicado na Revista “A Pátria para Cristo”, no. 264, p. 30-32

 

 

 

 

Nuvem de tags