Um canto para leitura e reflexão

Posts marcados ‘Trans’

MISSÕES, HISTÓRIAS QUE INSPIRAM E DESAFIAM

Jesus Transforma 2013

A obra missionária é inspiradora. Tão motivadora que Paulo se dizia devedor a gregos, a bárbaros, a sábios e a ignorantes, e se sentia motivado a levar o evangelho a Roma (Rm 1.14,15). Nestes dias de intensa atividade missionária foi isto que senti: uma tremenda motivação para levar o evangelho aos mais remotos lugares. Tudo por conta de histórias que vi e ouvi, histórias que inspiram e desafiam.  

Uma destas histórias foi a daquela irmã que, não podendo ir como voluntária da TRANS, me procurou dizendo que não tinha condições de participar desta vez, mas que queria dar uma oferta para ajudar. Quando abri o envelope, conhecendo sua situação financeira, percebi que ela estava dando, não uma oferta qualquer, mas uma oferta de amor e sacrifício. No final da TRANS, quando oferecemos um churrasco a um grupo de voluntários, lá estava ela na cozinha: “pastor, não pude participar do início, mas aqui estou para participar do final”.

E o que dizer da irmã Anália Gomes? Setenta e um anos, transplantada de rim, saiu de São Paulo para participar de um projeto missionário em São Félix do Piauí. Logo nos primeiros dias, ao sair de uma casa, após partilhar o evangelho com a família, tropeçou, caiu e quebrou o fêmur. Foi uma semana peregrinando nos hospitais de Teresina até ser operada. Três dias foram em cima de uma maca, no corredor do Hospital de Urgência. A irmã Anália nunca se deu por vencida. Deixou de falar de Cristo no sertão e passou a fazê-lo nos corredores e enfermarias, quando alguém se aproximava de seu leito. Seu canto ecoou pelos hospitais e abençoou vidas.

Quatro de nossos adolescentes foram à TRANS, levados pelos pais para ficar um dia. Eles ficaram as duas semanas! Celebram no culto da vitória e depois pediram para voltar ao campo missionário para discipular os novos convertidos. Sem nenhuma experiência anterior em operação missionária eles testemunharam, realizaram estudos bíblicos, cuidaram de novos convertidos, dedicaram todo o período de férias à obra missionária.

Também teve aquele procurador federal, servo de Deus, que este ano decidiu com os filhos substituir as férias no exterior pelo sertão, para falar de Jesus. Férias diferentes! No lugar do conforto de um hotel de luxo, o chão de uma escola pública; no lugar de comida requintada, comida na fila feita por mãos simples de servas tementes e fiéis a Deus; no lugar de carro alugado, ou táxi, pés no chão poeirento do sertão. O que foi melhor? Vidas salvas, transformadas e transbordando de alegria!

Encontrei também aquela ex-famosa da televisão, que diferente daqueles que vivem testemunhando de igreja em igreja, de show gospel, em show gospel, elogiando seu passado, dizendo-se ex-isso, ex-aquilo, preferiu o silêncio sobre o passado, e ir para o sertão, de casa em casa, falar de quem é em Cristo. A aparência oculta pelas roupas, um óculos escuro e um boné. O desejo não é ser reconhecido, mas fazer conhecido o Cristo, que na cruz morreu e ressuscitou.

“E que mais direi? Pois me faltará tempo, se eu contar de…” jovens americanos que nunca haviam partilhado Jesus com alguém e saíram para fazê-lo no sertão piauiense, e retornaram impactados pelo poder do Senhor; capixabas, paulistas, baianos, cariocas… “os quais por meio da fé…praticaram a justiça…da fraqueza fizeram forças…” (Hb 11.32-34) e deixaram o Piauí impactado pelo evangelho, que “é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê” (Rm 1.16). ALELUIA!

Pr Gilvan Barbosa

Anúncios

QUEM TERÁ COMPAIXÃO?

DSCF9791

Nesta quinta-feira, 27/6, enquanto viajava para Santa Cruz dos Milagres, Hugo Napoleão e Santo Antonio dos Milagres, a fim de levar gêneros alimentícios e outros equipamentos para apoio à TRANS, não pude deixar de pensar em situações como esta da foto, e de indagar sobre nossa responsabilidade cristã. O pai chega a casa com o pequeno filho nos braços, em uma situação de extrema pobreza e isolamento. Aqui se alguém adoece precisa contar com a bondade de outro que passe de carro para conduzi-lo à cidade mais próxima. Escola? Que escola?! Passeio no shopping… O que é isso? Assisti um culto na igreja… Que igreja? É assim que vivem, segundo dados estatísticos, 34% dos piauienses. QUEM TERÁ COMPAIXÃO?

Aglomeramo-nos em mega templos nas cidades, investimos em seminários e cursos, montando estratégias para atrair mais gente, e os excluídos da sociedade ficam excluídos das igrejas e morrem sem esperança de salvação. Quem irá até eles? Quem investirá para que alguém saia de aldeia em aldeia, de povoado em povoado levando o evangelho, como fazia nosso Salvador (Mt 9.35; Mc 6.6)? Não nos move o coração ver os abandonados pela sociedade também abandonados pelas igrejas? Preferimos discutir e, às vezes, até nos agredir pelas preferências de climatização de templos e salas, ou o quanto vamos investir neste ou naquele equipamento de som, do que fazer algo para que os excluídos sejam amparados e ouçam que em Jesus há salvação? Quantos membros têm deixado nossas igrejas simplesmente por divergências em valores que deveriam ser investidos em preferências de quem quer sempre mais e não enxerga a multidão dos que nada têm? Não tem algo errado nisto que chamamos de igreja de Cristo? Não tem algo errado em nós que nos denominamos servos daquele que amou os pecadores e pelos pobres e excluídos deu a vida? Será que Deus ama mais as populações das cidades, e por isso têm “evangelho de sobra”, enquanto as populações do interior têm “evangelho de menos”?

A situação espiritual da população rural de nosso estado é crítica. Segundo dados das organizações missionárias, 1.067.700 piauienses vivem na zona rural, e a maioria destes não tem uma igreja ou um pastor/missionário que posso acudi-los. O que nos falta para entendermos que o Senhor nos mandou convidar para seu reino os que vivem nas aldeias e becos das cidades (Lc 13.22; 14.21)? O que nos falta para entendermos que muito do dinheiro investido em nosso “conforto espiritual” deveria ser direcionado para pregação do evangelho dos que vivem isolados de tudo e de todos? Faltam-nos muitas coisas, mas falta de fato compaixão.

A palavra compaixão aparece muitas vezes no Novo Testamento referindo-se a Jesus. Por exemplo, quando o Senhor viu as multidões que andavam desgarradas e errantes, como ovelhas sem pastor, moveu-se de compaixão e mandou que os discípulos rogassem ao Senhor da seara para mandar trabalhadores, homens de compaixão, para acudir estas multidões (Mt 9.36-38). Era assim que Jesus agia. Ele sentia compaixão pelas pessoas que estavam desgarradas, excluídas e rejeitadas.

A palavra compaixão tem o sentido de mover-se “com paixão” em favor do outro. É uma ação prática. É agir para minorar ou aliviar o sofrimento de outrem. Neste sentido o evangelho é a boa nova de compaixão, pois sua mensagem alivia a dor física, emocional e espiritual. Partilhar o evangelho é exercer compaixão. Todavia esta compaixão fica em xeque quando é dada a uns e a outros não. Que compaixão é esta que permite que uns escolham igrejas, pastores, dias de cultos, etc, e a outros não é dada sequer a oportunidade de ouvir? Que amor é este?

Nestes dias, quando estaremos espalhados nas cidades e vilas de nosso estado partilhando a fé em Cristo Jesus, no projeto TRANS 2013, não fique assistindo de camarote, envolva-se. Mova-se de compaixão pelos que ainda não ouviram de Jesus!

 Pr Gilvan Barbosa

 

VEM PRA RUA

Vem pra rua

Movidos pelo refrão de uma canção popular, criada como trilha sonora para propaganda de uma montadora, que diz: “vem pra rua, porque a rua é a maior arquibancada do Brasil”, em uma referência direta aos campos de futebol, milhares de brasileiros foram às ruas, em todas as capitais e em várias cidades, para protestar contra a corrupção, a falta de educação, saúde e segurança na sociedade brasileira. O interessante é que estes movimentos estão acontecendo sem bandeira partidária política. Em algumas situações houve quebra-quebra e vandalismo, mas no geral tem sido um protesto legítimo e pacífico de um povo que se sente enganado por uma classe política que parece não ver limites em suas decisões. Ao ver tudo isto acontecendo, lembrei o pedido de oração: “Que o Brasil seja livre da corrupção e o Piauí da idolatria”, que figura na lista de oração de nossa igreja desde o início do ano. Não tive como não me perguntar: será o início da resposta de Deus às nossas orações?

A corrupção é um vírus em nosso país. E a falta caráter dos que lidam com a coisa pública, bem como uma total ausência de definição do que seja prioritário para o bem estar social, são brechas para que este vírus se espalhe. Há uma verdadeira inversão de valores e a aplicação da máxima antiga: “dê ao povo pão e circo”. Estima-se, por exemplo, que os gastos com os doze estádios da copa ultrapassem 8,5 bilhões de reais. Só o estádio Mané Garrincha, em Brasília, tem um gasto estimado em 1,2 bilhões de reais, tornando-se um dos estádios mais caros na história das copas do mundo. O custo total da copa 2014 será algo em torno de 28 bilhões de reais. Ora, tanto dinheiro empregado em obras que serão utilizadas pouquíssimas vezes, em um país deficiente em saúde, educação, segurança, e onde um trabalhador ganha R$ 678,00 por mês, é ou não é uma completa inversão de valores? Isto é ou não é um ato de tremenda injustiça social? Aqui cabe bem a palavra do Senhor através do profeta Isaías: “Lavai-vos, purificai-vos; tirai de diante dos meus olhos a maldade dos vossos atos; cessai de fazer o mal; aprendei a fazer o bem; buscai a justiça, acabai com a opressão, fazei justiça ao órfão, defendei a causa da viúva” (Is 1.16,17).

Assim como o povo brasileiro tem sido conclamado a ir às ruas protestar contra as mazelas sociais, nós também temos conclamado nosso povo, não só a ir às ruas neste protesto de civilidade, mas também a proclamar que só Jesus transforma. Estamos às portas da Mega Operação “Jesus Transforma”, a Trans 2013. Milhares de brasileiros estarão chegando a nossa terra para proclamar o evangelho de Cristo. Esta é a mobilização mais importante, da qual você não pode ficar de fora. O evangelho proclamado trará salvação, fará de homens carnais, homens espirituais, de homens impuros, homens puros, de homens injustos, homens justos. Mais importante do que ir às ruas por um Brasil melhor, é ir às ruas pelo evangelho de Cristo. “Ide, fazei discípulos”, é a ordem de Jesus. Vem pra rua, porque a rua é o maior campo missionário da igreja.

Pr Gilvan Barbosa

Nuvem de tags