Um canto para leitura e reflexão

Arquivo para a categoria ‘Família’

PAI PADRÃO BÍBLIA

000bi

Nos dias da última copa do mundo de futebol lemos e ouvirmos muitas e muitas vezes a expressão “padrão FIFA”. A expressão era uma alusão aos padrões de exigências da FIFA para os estádios de futebol e o aparato para a realização da copa no Brasil.

Sendo hoje o dia dos pais, gostaria de falar-lhes sobre pai padrão bíblia. Se o “padrão FIFA” era uma referência à excelência, o “padrão bíblia” diz de pais que fazem dos valores e princípios bíblicos a referência para a paternidade.

Olhando os dados de referência aos pais no Brasil, percebemos que estamos longe do padrão bíblico. Segundo o UNICEF a cada hora morre uma criança queimada, torturada ou espancada pelos pais.  O mesmo UNICEF criou um aplicativo denominada “Proteja Brasil”, com o objetivo de facilitar as denúncias de violência contra as crianças no Brasil. Segundo a Secretaria Nacional de Direitos Humanos, só no primeiro semestre deste ano, foram registradas cinquenta mil denúncias de agressões, uma média de duzentas e setenta e uma por dia, quase onze por hora. Infelizmente a maioria absoluta destas violências ocorrem dentro de casa, por alguém da família.

O que fazer, então, para mudar este quadro caótico, que mancha profundamente a figura da paternidade e da família? Como ser, ou o que é um “pai padrão bíblia”?

Cremos que a única maneira de reverter esta triste situação, e ter um pai padrão bíblia no lar, é colocar a Palavra de Deus dentro de casa, na vida dos que constituem a família. Cremos assim, porque a Palavra de Deus é “divinamente inspirada e proveitosa para ensinar, para repreender, para corrigir, para instruir em justiça”, fazendo com que “o homem de Deus seja perfeito, e perfeitamente preparado para toda boa obra” (II Tm 3.16,17). E só a Palavra de Deus “é o poder de Deus para a salvação de todo o que crê” (Rm 1.16).

Vejamos, então, o que é um “pai padrão Bíblia”:

Um pai padrão Bíblia tem a Palavra de Deus como “lâmpada para os seus pés e luz para o seu caminho” (Sl 119.105). Não adianta querer passar ensinos bíblicos à família e aos filhos, se estes ensinos não são vividos e seguidos por você. 

Um pai padrão Bíblia preocupa-se com a vida espiritual de seus filhos e os coloca diante de Deus diariamente (Jó 1.5).

Um pai padrão Bíblia abençoa seus filhos, desejando que a graça e a bênção de Deus os alcance (Hb 11.20,21). 

Um pai padrão Bíblia ensina a Palavra a seus filhos em casa, andando com eles, assentado com eles e mesmo ao deitar e ao levantar (Dt 6.7).

Mas, também, um pai padrão Bíblia saberá perdoar o filho e restituir-lhe ao convívio familiar, quando, por algum motivo, se afastar do caminho ensinado pelo pai (Lc 15.11-24)

Um pai que segue os padrões da Bíblia promoverá a reconciliação entre os filhos, quando estes se desentenderem e brigarem (Lc 15.25-32).

Um pai padrão Bíblia disciplinará seu filho segundo os parâmetros da Palavra de Deus (Ef 6.4). Filho sem disciplina será um homem sem limites.

Um pai padrão Bíblia fará da salvação de seus filhos a prioridade de sua vida, pois entende a vida de Jesus foi dada na cruz com este objetivo. Se Jesus morreu na cruz para salvar seus filhos, haverá algo grande demais para você que é pai realizar para que a salvação deles?

Agora pare um pouco. Leia novamente os oito itens apresentados acima como princípios caracterizadores de um pai padrão Bíblia. Avalie-se. Em uma nota de 0 (zero) a 10 (dez), onde 10 é o valor maior, qual sua nota como pai cristão? Qual sua nota como “pai padrão Bíblia”?

Que neste dia dos pais você faça um compromisso, um alvo de fé, de ser um pai padrão Bíblia!

Pr Gilvan Barbosa

JÁ RENOVOU SEUS VOTOS?

Imagem

Ao libertar seu povo do Egito, Deus celebrou um pacto com eles, o pacto do Sinai. Quando Moisés chegou à velhice, prestes a passar a liderança do povo a Josué, reuniu o povo nas campinas de Moabe (Dt 29,30) e o fez renovar os votos de fidelidade a Deus. Igualmente, Josué, vendo sua vida chegar ao fim, reuniu o povo e o levou a renovar seus votos de fidelidade (Js 24). O compromisso foi reafirmado: “ao Senhor nosso Deus serviremos, e obedeceremos à sua voz” (Js 24.24). Renovar nossos votos de fidelidade a Deus é algo necessário e essencial à vida cristã saudável.

Jesus, ao convocar seus seguidores estabeleceu: “tome cada dia a sua cruz” (Lc 9.23). Neste sentido, o ato de seguir a Cristo é pessoal, diário e contínuo. Há a necessidade de renovação de nosso compromisso com Cristo diariamente. Como tem dito um novo convertido em nosso pequeno grupo: “estou me convertendo todo dia”. Seguir a Cristo exige um “examine-se a si mesmo”, um “julgar a nós mesmos”, um “vigiai” constante e um “eis-me aqui” diário.

Quando pensamos no matrimônio, a renovação de votos é a oxigenação do casamento. Muitos casamentos caem na rotina, esfriam, porque os cônjuges não renovam seus votos, não reafirmam o amor e a fidelidade. Maridos precisam olhar suas esposas e dizer-lhes que as amam na mesma intensidade que Cristo amou a igreja. Esposas precisam dizer a seus maridos que seu amor “é forte como a morte” e que as muitas águas não conseguirão apagá-lo. Quando maridos e mulheres fazem da renovação de seus votos um compromisso contínuo, o casamento não é só duradouro, traz segurança aos cônjuges e aos filhos.

Uma vida cristã fria e apática pode ser revigorada pelo sopro do Espírito. Um casamento destruído pode ser reconstruído, se as duas vidas, marido e mulher, se colocarem no altar de Deus, como “um sacrifício vivo, santo e agradável”.

Em um encontro de nosso pequeno grupo, o Matteus Barbosa sabiamente fez a seguinte analogia: “a areia no concreto tem a finalidade de fazer este ser moldável. É a presença da areia que permite que o concreto, por exemplo, tome a forma de uma viga. O casal precisa ser moldável nas mãos de Deus, para que o Senhor o coloque dentro da forma que Ele projetou ser o casamento e a família”.

Há uma promessa magnífica de Deus em Isaías 43.19: “eis que porei um caminho no deserto, e rios no ermo”. Sua vida cristã está fria, apática? Seu casamento está sem graça e sem norte? Renove seus votos ao Senhor e a seu cônjuge. Coloquem-se (marido e mulher) no altar do Senhor. Ele é quem faz novas todas as coisas; até rios no deserto Ele faz brotar. Confie!

Pr. Gilvan Barbosa Sobrinho

O PROPÓSITO DE DEUS PARA OS FILHOS

Pais e Filhos Samir

Geralmente pregamos e ensinamos sobre namoro, noivado, casamento, relação familiar, criação dos filhos, mas pouco se fala do papel dos filhos na família. Afinal, qual o propósito de Deus para os filhos?

O princípio maior da relação filhos-pais está expresso em Efésios 6.1-3: “Filhos, obedecei a vossos pais no Senhor, pois isto é justo. Honra a teu pai e a tua mãe (que é o primeiro mandamento com promessa), para que te vá bem, e sejas de longa vida sobre a terra”. Há aqui dois mandamentos claros: obediência e honra. Honrar é ter respeito, admiração, consideração, dar glória a outrem. A conseqüente recompensa destas atitudes é “para que se prolonguem teus dias sobre a terra” (Êx. 20.12). Ouvi de um pai, ao sepultar o segundo filho: “pastor, no passado os filhos enterravam os pais”. Pensei comigo mesmo: “o ciclo normal da vida está sendo quebrado, porque os filhos estão descumprindo os dois mandamentos básicos de Deus para suas vidas”.

Mas, o propósito de Deus para os filhos vai além. Preconiza a Palavra: “Mas, se alguma viúva tem filhos ou netos, que estes aprendam primeiro a exercer piedade para com a própria casa e a recompensar a seus progenitores; pois isto é aceitável diante de Deus. Ora, se alguém não tem cuidado dos seus e especialmente dos da própria casa, tem negado a fé e é pior do que o descrente” (I Tm. 5.4,8). Tenho encontrado muitos cristãos que, segundo o ensino deste texto, “são piores do que descrentes”. Por quê? Porque abandonam seus pais depois de idosos, em abrigos, aos cuidados de terceiros; os largam em hospitais aos cuidados de ninguém; os deixam em casas insalubres, solitários, à mercê da própria sorte. Há muitos filhos que possuem uma vida financeira estável, moram em casas boas, mas largam seus pais em situação de abandono, sem conforto algum, às vezes, sem mesmo uma alimentação adequada. Aqueles que gastaram a vida, se sacrificaram pelos filhos, passam a viver a velhice na dependência da misericórdia de terceiros ou da igreja. Cada vez que encontro este tipo de situação (e não são poucas as vezes), questiono a fé daqueles que deveriam ser o amparo dos pais e avós. Àqueles que ministram, amparam os seus a Bíblia diz que “é aceitável (agradável) diante de Deus”.

Quando os filhos cumprem os princípios aqui expostos em suas vidas, levam às futuras famílias a prática e o exemplo que influenciarão a sociedade. Vale ainda relembrar a exortação bíblica: “Filho meu, guarda o mandamento de teu pai e não deixes a instrução de tua mãe; ata-os perpetuamente ao teu coração, pendura-os ao pescoço. Quando caminhares, isso te guiará; quando te deitares, te guardará; quando acordares, falará contigo. Porque o mandamento é lâmpada, e a instrução, luz e as repreensões da disciplina são o caminho da vida” (Pv. 6.22-23).

 

Pr. Gilvan Barbosa Sobrinho

Homenagem às mães

OLYMPUS DIGITAL CAMERAMÃE EM PROSA E VERSO
(Uma homenagem à minha mãe, D. Helena, mulher de fibra e oração. Mesmo sem recursos nunca desistiu do sonho de educar e formar seus filhos. Obrigado, mãe).

Celebrar um este dia em prosa e verso,
Eu que nem poeta sou.
Sou filho de lavrador,
Criado e sustentado a custo de muita dor.Como falar de mãe com melodia, canto e rima?
Cantar, Ah! Quem me dera!
Com a voz rouca e fanha que tenho,
Não há canto que possa entoar.

E rima, como fazê-la?
É só olhar a palavra em que o verso vai terminar,
“A” com “a”, “o” com “o”, “ô” com “ô”,
É… mas, o que combina com mãe?
Mamãe… mãeê… muito pobre…

Feliz foi Coelho Neto
Que, ao pensar em sua mãe,
Com versos simples e suaves
Conceituou SER MÃE

Ser mãe é desdobrar fibra por fibra 
o coração! Ser mãe é ter no alheio 
lábio que suga, o pedestal do seio,
onde a vida, onde o amor, cantando, vibra.

Ser mãe é ser um anjo que se libra 
sobre um berço dormindo!  É ser anseio, 
é ser temeridade, é ser receio, 
é ser força que os males equilibra!
 
Todo o bem que a mãe goza é bem do filho, 
espelho em que se mira afortunada, 
Luz que lhe põe nos olhos novo brilho!

Ser mãe é andar chorando num sorriso!  
Ser mãe é ter um mundo e não ter nada! 
Ser mãe é padecer num paraíso!

Cora Coralina, a poetisa
Buscou em sua visão de mãe
Aquilo que é mais sublime, a criação
Lembrou o que diz a Palavra:
“Eis que os filhos são herança da parte do Senhor, e o fruto do ventre o seu galardão” (Sl 127:3)
E foi assim que poetizou sobre a Mãe

Renovadora e reveladora do mundo
A humanidade se renova no teu ventre.
Cria teus filhos,
não os entregues à creche.
Creche é fria, impessoal.
Nunca será um lar
para teu filho.
Ele, pequenino, precisa de ti.
Não o desligues da tua força maternal.

Parece que Cora Coralina leu Isaías, o profeta
Que pensando na mãe que amamenta perguntou:
“Pode a mãe esquecer-se do filho que amamenta”? Impossível!
Por mais que quisesse os seios enchem, doem…reclamam,
Mesmo que não reclamassem, seus ouvidos iriam escutar
Alguém gemendo, chorando, pedindo mamar

E não há ouvido materno que ouvindo o choro de seu filho, não se desperte.
O coração pulsa, o sono esvai-se
Os pés levantam o corpo
E as mãos se movem para acudir.
Sempre foram assim as mãos de minha mãe (Jorge César Mota)

As mãos de minha mãe…Quanta bondade,
Carinho, amor, delicadeza pura
Me lembram, nessa doce formosura
Dos traços venerandos, sem vaidade!
 
Oh! Quem me dera apenas a metade
Gozar dos dons da vida e da ventura
Que elas suplicam, cheias de ternura
E incansáveis, ao Deus da Eternidade.
 
Ó minha mãe! Eu sei que as tuas magras
E envelhecidas mãos assim ficaram
Porque tiveste, sim, tuas horas agras.
 
Quantas vezes teus olhos enxugaram
Essas mãos que ainda agora nos consagras!…
Se mais sofreram, foi que mais amaram!…

Amar é a razão maior de toda mãe,
Como aquela que veio a Salomão
Depois de ter o filho roubado
Por aquela que sobre o seu deitara.

Diante do rei e para não ver a morte do filho
Abre mão, entrega-o à mentirosa.
O sábio rei percebe a manobra,
E o filho entrega à mãe venturosa.

Para a mãe é assim: amor traduz-se como sofrimento.
Lembra do sacrifício para que a filha estude?

Para eu galgar a montanha,
Oh! que renúncia tamanha
Foi a tua, mãe querida!
Preferiste, quantas vezes,
O despreza, a insensatez,
Para ver-me enaltecida.
 
Pois em casa, maltrapilha,
Tu, beijando tua filha,
Sim, não podias sair…
Gastaste todo o dinheiro!
E o meu traje? Era o primeiro,
Belo, caro, a reluzir!…
Como esquecer a poesia,
Ó mamãe, daquele dia,
Na festa de formatura?
Por que negar? Fui chorando,
Meu caminho palmilhando,
Todo cheio de amargura.
 
A pobreza te rodeava…
Tu te fazias de escrava,
Humílima, a trabalhar…
Qual a mãe de Miguel Couto.
Com o vestido tão roto,
Lindas vestes a lavar,
 
Assim te mostras princesa,
Do teu amor a grandeza,
Que sobe às raias da glória.
Alcançando o magistério,
Farei dele o meu saltério,
Para louvar a tua história!

Portanto,
“Filho meu, ouve a instrução de teu pai, e não deixes o ensino de tua mãe”,
Diz o livro de Provérbios.
Filho, Filha, vai à tua mãe Antes que seja tarde.
Abre a ela teu coração.
Fala do teu amor, da tua gratidão…(Florilégio, p. 101)

Gilvan Barbosa

Obs: Mensagem pregada em um dia das mães. Poesias variadas e as não identificadas são do livro “Florilégio cristão”, de Rosalee Appleby

 

Nuvem de tags